Naming, Naming, Naming!

Pra entender melhor sobre naming, participei de uma palestra com o Guilherme Sebastiany, na sexta-feira passada. O tema da palestra era “Mitos, riscos e armadilhas do naming”. Como de costume, vou compartilhar com vocês :D

Bora lá:

Primeiramente, é preciso entender a diferença entre risco, armadilhas e mitos. Vejamos:

Riscos são inerentes, você precisa correr, você não tem controle, são difíceis de evitar;
Armadilhas a gente se coloca, e podem ser evitadas;
Mitos são falsas verdades. Repetição faz parecer verdade.

7 riscos do naming

1 – Todos já têm uma idéia do que quer do início
Ideias pré-concebidas, o que vc quer X o que o cliente quer.
2 – Se apaixonar por um nome
Não necessariamente é um bom nome, lembre-se: você está sob efeito de dopamina! Envolve sentimento. Sabe X Sente. É preciso analisar e ver o desempenho do nome, e consultar o INPI.
3 – Pedir opiniões de alguém de fora
O background vai ser outro. A chance dessa pessoa não ter a base de informações necessárias é muito grande. Essa pessoa pode não ser parte do público-alvo. Pode ocorrer um falso-positivo ou um falso-negativo. Não se pode avaliar se é só atrativo, o nome precisa ser pregnante, funcionar. Pra isso, é melhor pesquisar, fazer avaliação de desempenho do nome. O que vale é a percepção e não a opinião.
4- Falso positivo de viabilidade pelo INPI
É perigoso pesquisar por você mesmo, pois há diversas classes de registro, há processos que podem estar extintos, e há níveis de resultados. A dica é deixar essa parte para um advogado especializado em marcas e patentes.
5 – Você é refém do gosto do cliente
Por mais que você tenha dados, informações, pesquisas e etc, sempre estará em contraponto ao que ele sente.
6 – Você é refém do seu próprio gosto
Você pode minimizar isso trabalhando em equipe.
7 -Seu cliente consultar numerólogo
É importante respeitar as crenças, mas é indicado que se traga isso no início do processo. Registrar só “o primeiro nome” favorece a proteção jurídica (ao invés de nome+atuação).

7 armadilhas para evitar

1 – Não subestime a inteligência de seu público
Isso pode acabar fazendo você jogar ótimas opções no lixo.
2 – Não superestime a inteligência do seu público
3 – Não se confunda com seu público
Seu repertório é diferente, o que para você para bom, para o público pode não parecer.
4 – Não descarte um nome por causa do significado negativo
5 – Não apresente opções por e-mail ou fora de contexto
É importante ao menos simular as aplicações, utilizando ao menos cor e tipografia. Ler em voz alta e ouvir o nome também é importante.
6 – Não apresse o processo e nem pule etapas
Há metodologia para naming. Esse processo leva geralmente entre 3 e 4 semanas. Sem estratégia, isso pode levar de 3 a 4 meses (visto que você cria e não funciona, cria e não funciona, aí cria novamente, e assim vai).
7 – Não demore demais
Demorar demais dá tempo pro cliente mudar de ideia e comece a encontrar cabelo em ovo. Não existe nome perfeito.

7 mitos do naming

1 – Nome bom tem que ser curto
Muitos autores afirmam isso, mas nem dizem o que é “curto”.  5 letras? 4 sílabas? 4 palavras? Na verdade, nome bom tem que ser fácil ;) E isso vai depender do repertório do seu público e do contexto de mercado.
Obs: sigla é a pior coisa para colocar no nome. É menos memorável, tem menos proteção jurídica e etc…
2 – O nome tem que ter um significado
Às vezes o significado atrapalha o que parece significar e ser sonoro.
3 – O nome tem que ser forte
O que significa ser forte? Ele pode ser suave e leve.
4 – O nome tem que dizer o que a empresa faz
Não é muito bom ir por esse caminho, por que a empresa pode expandir, mudar o ramo de atuação (por exemplo, a nokia, que inicialmente era uma madeireira e trocou de nicho várias vezes até se estabelecer com fabricação de celulares). Não se vincular ao que a empresa faz permite expandir mais facilmente sem precisar alterar o nome.
5 – Um bom nome é fundamental para o sucesso
Nenhum nome te levará ao sucesso. Mas nome pode te levar ao fracasso. Não é buscar um nome genial, mas ter certeza que ele não vai prejudicar sua empresa.
6 – O nome tem que ser bom
Não necessariamente. O que dizer sobre “eggstlut”, “arrogant frog” e “big ass fans”?
7 – É esse!!!
Ninguém dá tanta importância quanto você e seu cliente.

7 verdades

1 – Todos se acham experts
2 – Não existe nome único
3 – Exemplos são falácias (pois podem justificar qualquer caminho)
4 – Não peça opiniões, faça pesquisas
5 – Não tem receita de sucesso e nem regras (nenhuma metodologia “garante” sucesso)
6 – Pode dar errado
7 – Nem tudo que faz rir é erro

Para saber mais, acesse: Sebastiany Branding | FB Sebastiany Branding | Youtube Sebastiany | Blog Sebastiany

Beijocas!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s